12/02/2015

Castelo Chillon em Montreux-Suíça



Um passeio imperdível para quem visita Montreux é conhecer o Castelo de Chillon às margens do lago, um monumento medieval de mais de mil anos de história em pedra natural que já passou por várias restaurações, adaptações e renovações. Inspirou artistas escritores e pintores como Jean-Jacques Rousseau, Victor Hugo, Lord Byron, Delacrois e Coubert.

A entrada do ticket custou 12 francos suíços para visita sem acompanhamento, mas é possível contratar um audioguia com um adicional de 6 francos e outras opções para grupos. Mais informações neste site:  http://www.chillon.ch/. 


No interior do Castelo vários espaços como o subsolo com arquitetura que lembra uma catedral gótica e estimula a imaginação como o poema escrito por Lord Byron " The Prisoner of Chillon" ( O Prisioneiro de Chilon ). Neste espaço ficavam as celas de prisioneiros e durante a visita em algumas salas são projetadas sombras simulando fantasmas, mas nada assustador.




A visita inclui  salas ligadas por um labirinto de escadas e corredores, os salões que eram utilizados para grandes eventos, os aposentos, pátios internos, coleções, etc. Uma dica muito importante é usar sapatos confortáveis e sem salto porque você anda muito, sobe e desce muitas escadas, e o piso é de pedras irregular em alguns lugares. E se  você tiver fôlego pode subir até o alto da torre com uma vista incrível do lago e da cidade de Montreux.











E os amantes de vinho poderão comprar uma garrafa  Clos de Chillonfabricados no próprio castelo com uvas Chasselas cultivadas pelas muralhas. Na categoria especial o vinho foi premiado com uma medalha de prata no Mondiale du Chasselas de 2014. Os vinhos de Montreux é o assunto do próximo post onde conhecemos os vinhedos tombados pelo patrimônio, e  posso adiantar que são maravilhosos.





Para chegar ao Castelo pegamos um barco no Píer do Calçadão de Montreux, quase em frente à estátua de Fred Mercury que comentamos no post anterior. Compramos o bilhete pela internet neste site:www.cgn.ch, mas descobrimos que pode ser comprado na hora e no próprio barco. O retorno tem duas opções, uma mais rápida e outra mais longa parando em várias cidades do lago. Lógico que escolhemos a mais longa para aproveitar e conhecer outras paisagens, mas estávamos tão cansadas que não aproveitamos muito e só queríamos chegar logo ao hotel e descansar.








Uma das cidades que passamos no retorno a Montreux com o barco foi Vevey Marché, famosa pelos mercados folclóricos organizados pela Vevey Development Corporation, a partir de julho ao início de setembro. Das 10 as 13, vários grupos de canto, dança e música folclórica com degustação de vinhos e produtos locais. O mercado da cidade normal funciona às terças e sextas na Gran Place. 

Outra curiosidade é o enorme garfo espetado no lago que marca a direção do Museu do Alimento - Alimentarium mantido pela sede da Nestlé que fica em Vevey. E a estátua de Charles Chapplin que viveu um tempo nesta cidade.







Nenhum comentário:

Postar um comentário