28/06/2014

Museu Vaticano e Capela Sistina em Roma



O Museu Vaticano ou mais precisamente os Museus Vaticanos porque são vários em um mesmo espaço, é o mais procurado por conta de incluir a visita da Capela Sistina, uma obra que sem dúvida é única no mundo e vale a pena ficarem horas na fila, enfrentarem um mundo de gente para visitar. Na primeira vez chorei de emoção porque sempre estudei arte e já havia visto algumas pinturas da Capela em livros, mas ver tudo aquilo ao vivo é muito emocionante. Para ter uma noção de como gosto, tenho um pôster em casa que comprei em uma viagem, que mostra a foto do universo com uma montagem de um pequeno afresco da Capela Sistina feito por Michelangelo representando Deus dando vida a Adão. 

Afresco da Capela Sistina feita por Michelangelo "Deus dando vida a Adão"


Entre tantas pinturas na Capela Sistina e sua arquitetura, o teto e Painel do Juízo Final na parede do Altar são os que mais chamam a atenção, são considerados como um dos maiores tesouros da Humanidade. É difícil acreditar que Michelangelo pintou contrariado porque era um escultor, mas o Papa Júlio II, sobrinho do Papa Sisto IV, obrigou o artista a concluir seu trabalho. Mais tarde foi chamado pelo Papa Clemente VII para pintar o Juízo Final da Bíblia e a obra foi iniciada após sua morte no Pontificado de Paulo III. Em minha opinião, Michelangelo conseguiu uma pintura com efeito tridimensional porque era um escultor e tratou esta obra como uma escultura. É esta a sensação que temos porque as figuras pintadas parecem esculturas no teto que as fotos não conseguem transmitir, mas ao vivo no local são impressionantes.

O Concílio de Trento de 1564 julgou "obscenas" figuras nuas dentro de recintos religiosos e a pintura de Michelangelo na Capela Sistina foi "vestida" com pintura por  Daniel Volterra. Outros artistas importantes também realizaram trabalhos dentro da Capela Sistina como Botticelli, Biagio di Antonio, Signorelli, entre outros.


Juízo Final pintada por Michelangelo na Capela Sistina

Teto da Capela Sistina feito por Michelangelo



O acervo de obras de arte do Museu tem peças desde o Império Romano e grandes coleções adquiridas na Idade Média, onde a Igreja tinha grande influência na sociedade. A Loba Capitolina, a estátua equestre de Marco Aurélio e as esculturas colossais de Constantino, que hoje se encontram no Museu Capitolino, (link do post sobre Museu Capitolino) faziam parte da coleção Papal. Durante o Renascimento  surgiu um interesse maior da sociedade pela arte e cultura clássica da Antiguidade e muitos museus foram criados neste período. O primeiro no Vaticano foi o Pátio Belvedere com a principal obra "Apolo Belvedere",  o Deus da Grécia Antiga que representava entre outras coisas o ideal da perfeição e da inspiração artística, tornando-se símbolo da identidade europeia e da civilização ocidental. Muitos artistas usaram esta figura como inspiração e a mais importante dela que também está no Museu Vaticano é a escultura " Perseu com a cabeça de Medusa, de Antonio Canova. Esta obra substituiu a posição de Apolo dentro do Museu Vaticano quando Napoleão invadiu a Itália e confiscou muitas obras, inclusive Apolo que foi devolvida posteriormente. O Papa Pio VII indicou Canova como inspetor geral de Antiguidade e Belas Artes, e sua principal atuação neste cargo foi trazer de volta à Itália as obras confiscadas por Napoleão.


Apolo

Perseu com a cabeça de Medusa de Antonio Canova


Outra importante obra que também foi levada a Paris por Napoleão e devolvida e uma das minhas preferidas no Museu Vaticano é o Laocoonte e seus filhos. Esta escultura foi descoberta em cinco partes e sem um dos braços quando um produtor fazia manutenção de sua vinha. O arquiteto do Papa Julio II levou Michelangelo ao local, e logo um debate na comunidade artística dividia as opiniões que o braço a ser completado deveria ser esticado, completando uma linha diagonal e Michelangelo defendia que o braço deveria estar dobrado sobre o ombro da figura. Julio II organizou uma competição para definir a posição do braço e Rafael Sanzio, como júri do concurso escolheu uma proposta que representava o braço esticado. A estátua foi completada desta forma, mas o braço original foi descoberto posteriormente na posição que Michelangelo previa. No Museu Vaticano está a escultura original e uma cópia. E outra cópia encontra-se na Galeria Degli Uffizi, em Florença. Esta obra foi uma das principais influências no trabalho de Michelangelo, e o rosto serviu de inspiração para a Igreja  usar como imagem do sofrimento de Jesus na cruz. 






A visita ao Museu passa por diferentes salas como as Tapeçarias de Rafael, a Galeria dos Mapas, Sala Redonda e tantos outros espaços a percorrer com direito a uma parada para um café ou no restaurante que ficam no interior do museu, ou ainda nas Praças internas como o Pátio da Pinha e compra de souvenir. Seria impossível descrever todas as obras do Museu, e para quem deseja saber mais pode comprar vários livros sobre os artistas e suas obras lá expostas nos quiosques internos. Comentei apenas as obras acima como exemplo do acervo do museu, e que em minha opinião possuem uma importância dentro da história da arte.








Nesta viagem fizemos algo "inédito e antigo" porque dentro do Museu Vaticano fica um Ofício Postal para você enviar postais e cartas com o selo do Vaticano. Inédito porque nunca fizemos isto e antigo porque em tempos de internet não vejo mais ninguém enviando cartões postais, mas  foi muito divertido escrever aos familiares.


Correio do Museu Vaticano

As filas podem ser longas para comprar o bilhete, portanto recomendo comprar online pelo site  http://mv.vatican.va/, com várias opções de visita (individual de um dia, grupos, visita guiada, semi privada, especial para peregrinos, universitários, com café da manhã, etc). O bilhete mais simples é o da visita ao Museu e Capela Sistina que custa 16 euros. No dia e hora escolhidos para a visita você deve ir ao ponto de encontro informado no bilhete, normalmente em frente à Entrada do Museu e do lado oposto da calçada, onde pessoas identificadas com placas organizam os grupos para a entrada no museu. Até mesmo para quem compra antecipadamente pode ter uma pequena fila.


Fila para entrada no Museu para quem comprou online

Aos domingos o Museu é fechado, exceto no último de cada mês onde a entrada é gratuita, a bilheteria funciona de terça a sábado das 9h00 às 16h00 e o museu fecha às 18h00. Para chegar ao museu ,o meio mais fácil é o metro pegando a linha A em direção Battistini, descer na estação Ottaviano e caminhar algumas quadras. Na Piazza del Ressurgimento fica uma boa opção para um lanche, a Duecentrogradi e a Sorveteria Old Bridge que já comentei  NESTE POST AQUI(LINK).


24/06/2014

Uma sugestão de passeio em Roma aos domingos

Roma é sempre lotada de turistas, e nos últimos anos a Itália e Europa como um todo com muitos imigrantes que fugiram de conflitos recentes em seus países, mas aos domingos fica ainda mais insuportável de pessoas. Isto porque a popularidade do atual Papa Francisco aumentou a presença de fiéis que visitam Roma para a benção papal que acontece aos domingos na Piazza do Vaticano. E nas duas últimas vezes que estive na cidade havia uma maratona que complicava ainda mais o trânsito e a visita.


Uma sugestão de roteiro básico para aproveitar o domingo em Roma começa na visita interna ao Palácio Quirinale que foi residência papal, e em 1870, tornou-se Palácio dos Reis da Itália, e depois em 1946, a sede do Governo da Itália e residência oficial do Presidente da República. A fachada é do arquiteto Domenico Fontana, a Capela e entrada principal de Carlo Maderno e a longa ala interna que percorre a Via Qurinale de Gian Lorenzo Bernini. As visitas são permitidas apenas aos domingos das 8h30 às 12h00 com duração de 60 minutos e o bilhete custa 5 euros. No site http://www.quirinale.it/. você encontra todas as informações e os dias que as visitas não são permitidas. ( Em 2014: 5 de janeiro, 20 de abril, 1 junho, 2 novembro, 14, 21 e 28 dezembro; e os domingos no período de 22 de junho a 7 de setembro.


O Palácio fica muito próximo da Fontana de Trevi, e pode-se chegar deste ponto à pé ou descer na estação de metro Republica ou Barberini e caminhar pela Via Quirinale, onde fica também a Igreja em estilo barroco Sant Andrea Quirinale projetada por Bernini. A planta da Igreja tem formato oval e altar iluminado por uma fonte de luz oculta, criando um efeito teatral, como era típico nos trabalhos de Bernini.





Caminhando na mesma Via Quirinale e no cruzamento com a Via delle Quatro Fontane, fica a Igreja San Carlino e uma fonte em cada esquina. As fontes foram encomendadas pelo Papa Sisto V, cuja estátua fica no centro da Piazza Cavour, em Camerino onde estudei. Elas significam : Rio Tibre como símbolo de Roma, Rio Arno como símbolo de Florença que foi capital da Itália, a Deusa Diana como símbolo da castidade e a Deusa Juno como símbolo da força. Como curiosidade este cruzamento é o centro de uma cruz imaginária, onde na ponta superior ao Sul fica o Palácio Quirinale (na ocasião sede Papal e cabeça da Igreja), na ponta inferior ao Norte a Porta Pia, antiga Porta Nomentana do Muro de Aureliano que protegia a cidade e foi reformulada por Michelangelo. Nas pontas laterais e assim como as posições do Norte e Sul, possíveis de avistar quando estiver no centro do cruzamento das quatro fontes: O Obelisco da Igreja Santa Maria Maggiore a leste e o Obelisco Salustiano de Trinitá dei Monte das escadarias da Piazza Spagna a Oeste.

Fonte Rio Tibre 

Fonte da Deusa Diana 

Fonte Rio Arno 

Fonte do Deus Juno

Caminhando mais um pouco pela Via Quirinale até a Via Vittorio Emanuele e próximo ao metro Republica, fica a Igreja Santa Maria Della Vitória  com um dos trabalhos mais bonitos de Bernini, o extâse de Santa Teresa. Aberta das 7h00 às 12h30 e das 15h30 às 19h00. Esta escultura barroca de Bernini representa a experiência mística de Santa Teresa de Ávila e o amor divino de um anjo. A beleza da obra se deve ao uso da iluminação e a organização do espaço como um cenário teatral. 




Se você programar a visita ao Palácio Quirinale logo no primeiro horário de abertura terá tempo de visitar as atrações acima e pegar o metro na Piazza Republica para ver a Benção Papal no Vaticano ao meio dia. Basta pegar a direção Battistini da linha vermelha e descer na Estação Ottaviano-San Pietro. Na estação terá placas direcionado a caminhada até a Piazza S.Pietro pela Via Ottaviano com aproximadamente quatro quadras. No entorno desta estação é uma área com muitas lojas e excelente para compras. Á tarde você poderá visitar com calma a Basílica de S. Pietro e a minha paixão: Pietá de Michelangelo. 



Como sugestão para tomar um lanche recomendo a Paneria Duocentogradi, na Piazza Ressurgimento ( no mapa acima fica entre a estação e a Piazza S. Pietro). oferecem vários tipos de combinações para você montar um lanche. E bem ao lado fica a Gelateria Old Bridge com muita fila porque o sorvete deles é muito bom. 





22/06/2014

Museus Capitolineos e Piazza Campidoglio em Roma - Itália

Piazza dei Campidloglio - Museus Capitolineos

Muitas pessoas não gostam ou não visitam museus em viagens por falta de tempo na programação da viagem, e às vezes as filas são tão grandes que desanimam qualquer um, mas como adoro história, já faz parte dos meus roteiros e acredito que ajuda a completar o entendimento de uma cidade. Em Roma existem muitos museus, e se fosse para indicar apenas um para visitar, o Capitolino seria sem dúvida a minha primeira opção. Nesta última viagem a Roma, compramos o bilhete pela internet neste site: 
http://www.museiincomuneroma.it/acquista_online/biglietti. É necessário fazer uma inscrição com seus dados para comprar, mas é muito simples e fácil com informações em inglês ou italiano. O museu funciona de terça a domingo das 9h00 às 20h00.


A principal obra que simboliza a fundação de Roma está exposta neste museu, a Loba Capitolina, representando os gêmeos Rômulo e Remo sendo amamentados por uma loba. E o local do museu era o Templo de Júpiter na mitologia Romana ou Zeus na Mitologia Grega, considerado o mais importante de todos os Deuses e na fundação de Roma com a instituição da religião romana. Os fragmentos deste templo podem ser visitados no interior do Museu Capitolino, na área do Palazzo dei Conservatori e Tempio di Giove. 


Loba Capitolina

Outras pinturas descrevem a fundação de Roma como " Ritrovamento della Lupa"  - O encontro da Loba de Cavalier D´Arpino- Giuseppe Cesari, um afresco de 1596 ", na Sala Degli Orazi e Curiazi do Palazzo Senatorio.



Esculturas com o busto dos Imperadores também fazem parte da coleção, localizadas no Palazzo Nuovo-Sala degli Imperatore, e o que mais chama a atenção  é o de Constantino pelo seu tamanho colossal e fica no Musei dei Conservatori - Cortile.


Augusto

Caracalla

Marco Aurelio

Tibério


Vespasiano


Tito

Settimio Severo

Nero

Constantino

O Museu na verdade é um complexo dividido em 3 edifícios no entorno da Piazza dei Campigloglo (Capitólio em português), projetada por Michelangelo e com a réplica do Imperador Marco Aurelio no centro porque a original fica dentro do museu. Palazzo Senatorio (Palácio dos Senadores), sede dos registros oficiais da Roma Antiga e da Prefeitura, magistrados e senadores. Palazzo dei Conservatori (Palácio dos Conservadores) e Palazzo Nuovo ( Palácio Novo). Para chegar é simples porque fica ao lado do Monumento Vittorio Emmanuelle na Piazza Venezia e Fórum Romano.





Reserve pelo menos uma manhã ou tarde para visitar o museu que ainda conta com espaço de cafeteria e livraria no seu  interior e tantas outras obras para conhecer, além da arquitetura renascentista de Michelangelo, considerada como a mais perfeita Praça do mundo, isto porque seu traçado em perspectiva permite uma vista única dos edifícios de seu entorno.

Garanto que você sairá deste Museu tendo uma visão mais abrangente de Roma e sua importância na História da Humanidade, além de desfrutar de uma beleza artística única das peças expostas e da arquitetura.