29/10/2014

Milão - Itália


Duomo-Catedral de Milão

Preciso confessar que conhecer Milão nunca chamou minha atenção, mesmo sendo a cidade da Moda e do Design e centro da maior Feira deste setor. Primeiro porque é uma cidade grande e prefiro as pequenas vilas que ainda guardam aquele jeito italiano que não encontramos nos grandes centros, segundo porque a Feira de Design que todo mundo da minha área gosta de participar eu não curto porque é muita gente e já foi melhor, além de já trabalhar com as empresas italianas e conhecer antecipadamente os lançamentos.

Nesta viagem achei que já era hora de conhecer e comprovei o que já sabia sobre uma grande cidade sem o charme italiano, mas passei bons momentos apesar de apenas um dia na cidade.



Chegamos no aeroporto Linate que fica mais perto do centro e compramos o bilhete do ônibus " Linate Express" que custou cinco euros e nos deixou na Estação Central em apenas vinte cinco minutos. Da estação você pode pegar o metro para qualquer parte da cidade ou escolher entre os muitos hotéis  desta área. Ficamos no Hotel Berna que já comentei em um post anterior e apenas alguns passos da Estação.
Neste link você consulta todos os horários e informações atualizadas do Linate Express:



Deixamos as malas no hotel  e saímos em seguida para passear pela cidade. E aqui vai uma dica que sempre comento sobre a logística de bagagem em viagens. A mala maior (32Kgs) ficou no guarda-volumes do Aeroporto Fiumicino em Roma porque faríamos trechos de trem e aéreo entre Itália, Suíça e França. Para os voos dentro da Europa o limite de mala é menor ( 20 a 23Kg) e a pior coisa para viagem com trem é carregar malas grandes e pesadas, portanto escolhemos uma mala de mão menor com rodinhas para este trajeto.




A primeira parada não poderia ser outra: a Catedral de Milão, o Duomo que tem uma arquitetura imponente por fora, mas por dentro não é assim tão impressionante como imaginava, apesar de seu valor artístico como os vitrais, o piso trabalhado, etc.




A Galeria Vittorio Emanuele II ao lado do Duomo, foi desenhada por Giuseppe Mengoni, que morreu tragicamente ao cair de um andaime na obra antes da inauguração, em 1877. Funciona como uma passagem entre a Piazza del Duomo e a Piazza della Scala, onde está o Teatro Scala e com várias lojas, restaurantes, o Hotel Town House Galeria e o Café Miani. Em frente ao Teatro Scala fica a Escultura de Leonardo da Vinci, do escultor Pietro Magni.





Uma parada para um drink no terraço da Loja Rinascente, ao lado da Galeria com vista para o Duomo. É uma grande loja de departamento e você se sente em Milão quando encontra chocolates em formato de bolsa e sapato, objetos de design inusitados, coloridos e muita gente elegante circulando ao seu lado.








Para jantar escolhemos a Trattoria Milanese que fica a poucos passos da Piazza Duomo, mas chegamos muito cedo e estava fechada. Arriscamos o restaurante Santamarta na frente que estava aberto e foi muito bom. O pedido não poderia ser outro: Risoto MIlânes e Bife à Milanesa, pratos típicos de Milão acompanhados por um vinho Chianti e Tiramissú de sobremesa.







Gesto italiano para expressar que a comida está muito boa:
Apoiar o dedo ao lado da boca e girar para um lado e para o outro.



Tentamos reservar com antecedência de 3 meses a visita para conhecer a Santa Ceia de Leonardo da Vinci, mas não conseguimos porque só havia vaga para o dia seguinte da nossa partida e será uma desculpa para retornar a Milão e conhecer outras áreas. Esta passagem pela cidade foi apenas estratégia de roteiro e o primeiro dia de uma viagem de 10 dias pela Suíça e Sul da França, após os trinta dias de curso na Itália. Sabíamos que estaríamos cansadas com a logística de sair de Camerino com Ônibus muito cedo, pegar trem até o aeroporto em Roma, deixar malas no guarda volumes, embarcar para Milão e ainda rodar um pouco pela cidade.Voltamos para o hotel após o jantar para descansar e sair cedo para o trajeto mais incrível da nossa viagem. 




Nenhum comentário:

Postar um comentário