27/02/15

O trem do Chocolate - Suíça





Este é o post mais aguardado pelas minhas amigas chocólatras desde que comentei este passeio que fiz na Suíça, e quando postei as fotos para minha família ainda em viagem, ficaram todos babando com pedidos para que eu comprasse muitos chocolates. Trata-se do Trem do Chocolate com partida da estação de Montreux às 8h57 e retorno às 17h38. É um dia inteiro de passeio pela cidade e fábrica de queijos e Vila Gruyeres, depois à fábrica de chocolates Callier do Grupo Nestlé com direito a degustação.



Compramos o bilhete pela internet neste site: http://www.goldenpass.ch/, mas pode ser comprado na bilheteria da estação de Montreux com custo de 99 francos suíços. Tudo é muito bem organizado e logo que você chega é recebido por uma funcionária que confirma seu bilhete e entrega um crachá com os horários de todas as paradas e duração dos passeios. No trem é servido chocolate quente e croissant de chocolate, além da decoração muito original .






A primeira parada depois de passar por paisagens de campos suíços foi às 10h15 para a visita na fábrica Gruyeres, e um tour interativo  mostrou todo o processo de fabricação do queijo com um fone de ouvido em várias línguas. No final da visita recebemos uma amostra com diferentes tipos de maturação do queijo para provar e tivemos um tempo livre na loja para comprar queijos e souvenir.....ou no nosso caso morrer de raiva ao ver os preços que são bem mais em conta que no Brasil, mesmo sendo em francos suíços. Apenas para lembrar que a legislação brasileira não permite a entrada de alimentos na imigração ao desembarcar.










Uma guia que também falava vários idiomas acompanhou o grupo o tempo todo desde a saída de trem em Montreux .Um ônibus  nos pegou às 11h15 da fábrica de queijos, que fica ao lado da estação e nos deixou às 11h25 na Vila de Gruyeres. Tivemos tempo de conhecer toda a cidade, o castelo de Gruyeres e almoçar um típico fondue de queijo. A cidade é um cartão postal medieval com o castelo no alto da colina e as casas preservadas com uma decoração alpina muito típica desta região. Para este post não ficar muito longo farei outro apenas sobre Gruyeres.




O ônibus nos pegou na Vila às 13h50 e nos deixou na fábrica de chocolates Callier da Nestlé às 14h10 , na cidade de Broc. A visita também é interativa contando a história do chocolate, da fábrica ,o processo da fabricação com degustação ao final e uma imensa loja de chocolates. Nesta visita você escolhe a língua que prefere ouvir para as explicações e é direcionado ao grupo com muita organização. A estação de trem para o retorno fica ao lado da fábrica.










25/02/15

Os vinhedos de Lavaux na Suíça



Pertinho de Montreux fica a Região de Lavaux, reconhecida como Patrimônio Mundial da Humanidade pelos vinhedos debruçados no Lago Lemano. De Lausane até Chillon são oito zonas de produção de vinhos com DOC Denominação de Origem Controlada. Pegamos o trem na estação de Montreux, comprando os bilhetes na hora porque tem saídas frequentes e pagamos 2,70 francos suíços cada trecho. O percurso de Montreux a Rivaz leva em média quinze minutos e os horários do trem podem ser consultados neste site: http://www.cff.ch/home.html.




A estação de Rivaz é bem pequena e o lugar é incrivelmente lindo, a cidade parece ter saído de um conto de fadas, perfeita, linda com o visual dos vinhedos, as montanhas e o lago em perfeita harmonia. Conhecemos um engenheiro da ferrovia que falava seis línguas sem nunca ter aprendido em nenhuma escola que adorou falar português conosco e nos explicou tudo sobre o lugar. Da estação fomos caminhando direto para a Degustação de Vinhos na Lavaux Vinorama, onde assistimos também a  um vídeo sobre os vinhedos, os diferentes tipos de uvas, etc. Mais informações da Vinorama neste site: http://www.lavaux-vinorama.ch . 









Como não sou especialista em vinhos, apenas uma apreciadora como boa italiana, deixarei o site para quem deseja aprofundar seus conhecimentos:http://www.vignerons-lavaux.ch/. O que posso garantir é que os vinhos são excelentes e fiquei triste em saber que eles quase não exportam para outros países porque o mercado interno deles é suficiente...coisas de primeiro mundo. Neste site também tem o endereço de outros locais que fazem degustação.









12/02/15

Castelo Chillon em Montreux-Suíça



Um passeio imperdível para quem visita Montreux é conhecer o Castelo de Chillon às margens do lago, um monumento medieval de mais de mil anos de história em pedra natural que já passou por várias restaurações, adaptações e renovações. Inspirou artistas escritores e pintores como Jean-Jacques Rousseau, Victor Hugo, Lord Byron, Delacrois e Coubert.

A entrada do ticket custou 12 francos suíços para visita sem acompanhamento, mas é possível contratar um audioguia com um adicional de 6 francos e outras opções para grupos. Mais informações neste site:  http://www.chillon.ch/. 


No interior do Castelo vários espaços como o subsolo com arquitetura que lembra uma catedral gótica e estimula a imaginação como o poema escrito por Lord Byron " The Prisoner of Chillon" ( O Prisioneiro de Chilon ). Neste espaço ficavam as celas de prisioneiros e durante a visita em algumas salas são projetadas sombras simulando fantasmas, mas nada assustador.




A visita inclui  salas ligadas por um labirinto de escadas e corredores, os salões que eram utilizados para grandes eventos, os aposentos, pátios internos,coleções, etc. Uma dica muito importante é usar sapatos confortáveis e sem salto porque você anda muito, sobe e desce muitas escadas, e em alguns lugares o piso é de pedras irregulares. E se  você tiver fôlego pode subir até o alto da torre com uma vista incrível do lago e da cidade de Montreux.











E os amantes de vinho poderão comprar uma garrafa  Clos de Chillonfabricados no próprio castelo com uvas Chasselas cultivadas pelas muralhas. Na categoria especial o vinho foi premiado com uma medalha de prata no Mondiale du Chasselas de 2014. Os vinhos de Montreux é o assunto do próximo post onde conhecemos os vinhedos tombados pelo patrimônio, e  posso adiantar que são maravilhosos.





Para chegar ao Castelo pegamos um barco no Píer do Calçadão de Montreux, quase em frente à estátua de Fred Mercury que comentamos no post anterior. Compramos o bilhete pela internet neste site:www.cgn.ch, mas descobrimos que pode ser comprado na hora e no próprio barco. O retorno tem duas opções, uma mais rápida e outra mais longa parando em várias cidades do lago. Lógico que escolhemos a mais longa para aproveitar e conhecer outras paisagens, mas estávamos tão cansadas que não aproveitamos muito e só queríamos chegar logo ao hotel e descansar.








Uma das cidades que passamos no retorno a Montreux com o barco foi Vevey Marché, famosa pelos mercados folclóricos organizados pela Vevey Development Corporation, a partir de julho ao início de setembro. Das 10 as 13, vários grupos de canto, dança e música folclórica com degustação de vinhos e produtos locais. O mercado da cidade normal funciona às terças e sextas na Gran Place. 

Outra curiosidade é o enorme garfo espetado no lago que marca a direção do Museu do Alimento - Alimentarium mantido pela sede da Nestlé que fica em Vevey. E a estátua de Charles Chapplin que viveu um tempo nesta cidade.